alimentação fora do lar e a crise

 

Por Wanderley Onorato

Crescer ou mesmo se manter, em tempos difíceis, representa um papel diário e árduo na forma com que se executam as tarefas destinadas ao bom andamento dos negócios.   Para confundir ainda mais, sabemos que o mercado e os próprios alimentos nem sempre carregam estudos conclusivos a seu respeito. Afinal, num dia, o ovo é uma bomba de colesterol prestes a explodir as coronárias; no outro, asseguram que tem alto valor nutritivo. A carne de porco, que já foi a mãe de todos os males, está reabilitada, a de boi enfrenta suspeitas. Há quem diga que o consumidor deixou de comprar ou frequentar determinados locais não só por conta de alimentos em desacordo com os padrões de saudabilidade mas também por tempo no trânsito, riscos de assaltos, dificuldades econômicas, etc. Posso até concordar com alguns fundamentos mas o fato de que os dias atuais oferecem tantas comodidades e informações a um toque de mão, induzem as pessoas a refletirem de modo diferente sobre o modelo de alimentação a que se propõem. A um toque de celular o disque-produto “X” ou “Y” entregará 80 ou 5.000 calorias à porta sem sairmos da poltrona. Então, como mudar ou nos adaptarmos a este comportamento que a cada dia cresce mais? De qualquer forma, os impulsos despertados pela fome são evidentes e, consequentemente, necessários à vida. Enfim, temos que considerar alguns fatores muito importantes para nos adequar á realidade atual. Entre eles, três se destacam: o produto, o lugar e o preço:

Produto
Embora não seja o ponto principal da pesquisa, ele pode influenciar a decisão do cliente de diversas formas. Seja pelo seu design ou a apresentação. Se você tem um restaurante, por exemplo, pense nas opções que estão sendo servidas, na qualidade dos produtos, se existe algo que os seus clientes sentem falta com frequência ou algo que reclamam. Lembrando sempre que uma boa apresentação no Food Service é essencial.

Preço
Algumas pessoas pagam mais por fatores como conforto e comodidade. Porém, você pode usar o preço a favor do seu negócio. Mesmo tendo que levar em consideração fatores como cobrir custos, despesas gerais e preços competitivos, o preço pode ser utilizado como artifício de atração. Se você tem uma padaria, por exemplo, e abaixa o preço do pão para um valor menor do que o de mercado, você irá atrair mais consumidores. No processo de compra de ir até sua padaria, estes, por sua vez, provavelmente levarão também outros produtos, como frios, leite, etc. Ou seja, use um ou mais “produtos âncoras”. Eles poderão ser usados como promoções, descontos, boas condições de pagamento, etc. Em estabelecimentos de consumo como restaurantes, pizzarias, lanchonetes e outros similares, uma excelente forma de redução de preços é estabelecer critérios adequados de compra. Hoje em dia a melhor proposta de aquisição de gêneros e ingredientes adequados é a compra num único lugar. Os idealizadores do site www.patiodecompras.com.br criaram uma excelente proposta onde o estabelecimento adquire todos os ingredientes necessários com rapidez de entrega, melhor preço e valor agregado sem sair do local.

Lugar
No caso de loja física, temos que elaborar uma fachada atrativa, como os produtos estão dispostos no buffet para o serviço self-service, o atendimento e até as facilidades de pagamento. Boa estrutura, fácil acesso e um espaço agradável devem ser palavras-chaves do seu negócio quando falamos de ambiente físico.

Wanderley Onorato
Consultoria, Inovação e Treinamento

arrivederci!
grazie a tutti!

Texto original – http://www.marketingnutricional.com.br/blog-wanderleyonorato.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Cadastre-se em nossa Newsletter:

Share This